20 de julho de 2020

Saber quanto custa abrir uma fintech pode ser o primeiro passo para que você comece a atuar nesse setor.

Mas antes de falarmos sobre valores, vale lembrar que fintechs são empresas que utilizam tecnologia para solucionar problemas financeiros.

Considerando isso, é importante ter em mente que nem sempre essas soluções tecnológicas podem ser baratas.

Entre ter uma ideia inovadora e, efetivamente, colocá-la no mercado, há um longo trajeto. Por isso, no decorrer desse percurso, é fundamental contar com bons parceiros.

Ou seja, não basta contar com o capital que você tem disponível neste momento. É preciso também buscar investidores que acreditem no seu projeto e que ajudem a tirá-lo do papel.

Por outro lado, soluções como as plataformas White Label permitem que qualquer empresa, de qualquer segmento, passe a atuar como uma fintech.

Nesse caso, além de não precisar se preocupar com regulamentações, o custo de se tornar uma startup de serviços financeiros é bastante reduzido.

Em resumo, saber quanto custa abrir uma fintech pode não levar a um resultado exato, pois diversos fatores podem influenciar nesse valor.

Para entender melhor sobre isso, ter uma estimativa de investimento e descobrir como começar uma fintech, basta continuar a leitura deste artigo.

Quanto custa abrir uma fintech?

Saber quanto custa abrir uma fintech pode ser a diferença entre começar, ou não, uma empresa desse modelo.

Assim como qualquer outro negócio, a abertura de uma startup de serviços financeiros também envolve questões como:

  • taxas de abertura de CNPJ;
  • infraestrutura, incluindo local de atuação, equipamentos, mobiliários etc;
  • contratação de pessoal, considerando todas as despesas referentes à gestão de pessoas;
  • marketing;
  • despesas fixas mensais e outros.

Por isso, ao estimar o custo necessário para abrir uma fintech (especialmente se estiver começando do zero) é preciso considerar todos os quesitos que envolvem a abertura de uma empresa, os quais podem variar de acordo com a região e do tamanho inicial do negócio.

No entanto, como estamos falando de um segmento que utiliza de tecnologia para atuar, esse acaba sendo o ponto que mais gera gastos.

De modo geral, o valor necessário para começar a sua fintech vai depender da quantidade de serviços que serão oferecidos, do nível de personalização e da tecnologia usada nas soluções.

Porém, para que você tenha uma ideia de quanto custa abrir uma fintech, nada melhor do que usar exemplos de empresas que já estão no mercado.

O Nubank, por exemplo, começou em 2013 com um investimento inicial de US$ 2 milhões. Mas não se assuste com esse valor, pois é totalmente possível iniciar as atividades com valores menores.

Uma pesquisa feita pela ABFintechs em parceria com a PwC mostrou que 40% das fintechs entrevistadas receberam investimentos abaixo de R$ 1 milhão. Apenas 29% conseguiram capital entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões.

O estudo ainda mostra que conseguir investimento para uma fintech não é o fator mais desafiador desse tipo de negócio — esse quesito ocupa o 4º lugar no ranking e representa 29%.

De acordo com o levantamento, a maior dificuldade dos empreendedores desse setor fica por conta da atração de recursos humanos qualificados (50%).

Fonte: ABFintechs / PwC

Como conseguir investimento para a sua fintech?

Por falar em investimento, um dos pontos principais para viabilização de uma fintech, é importante destacar que, até fevereiro de 2020, as startups brasileiras de serviços financeiros já haviam recebido mais de US$ 55 milhões.

Esse montante é que quase duas vezes maior do que o valor investido no mesmo período de 2019, que foi de US$ 30 milhões.

Mas para fazer parte desse parcela, é preciso preencher alguns critérios de análise dos investidores, que costumam ser:

  • o time;
  • o produto;
  • os processos;
  • a precificação.

Quer saber mais como garantir investidores para sua fintech?

Então ouça a este episódio do Papo na Nuvem:

Ainda vale a pena criar uma fintech?

Agora que você sabe quanto custa abrir uma fintech, saiba também que essa pergunta passou (e ainda passa) pela cabeça de centenas de pessoas, assim como deve ter passado pela mente dos fundadores das mais de 742 startups brasileiras.

Esse número foi apontado no levantamento mais recente da Distrito, hub de inovação para startups, empresas e investidores, e representa um aumento de 34% entre 2019 e 2020.

Parte desse crescimento pode ser atribuído às brechas deixadas pelos bancos tradicionais, especialmente no que diz respeito à oferta de produtos e serviços financeiros melhores, mais rápidos e menos burocráticos.

Essas características, padrões das fintechs, são justamente o motor impulsionador do crescimento do setor.

Também não podemos deixar de citar a oferta de soluções 100% digitais, que atendem com precisão o novo perfil do consumidor, muito mais conectado e atento a essas melhorias.

A soma de todos esses fatores vão ao encontro de uma pesquisa realizada pelo Google, a qual aponta que o nível de satisfação dos clientes das fintechs é maior que dos usuários de bancos tradicionais.

A pesquisa contou com 800 participantes, dentre os quais 46% disseram ainda manter relacionamento com instituições financeiras tradicionais. No entanto, apenas 4 entre 10 (42%) estão satisfeitos.

Por outro lado, entre os clientes das fintechs, esse número sobe para 7 a cada 10, representando 71%.

A mensuração da insatisfação também aponta a grande diferença entre as soluções oferecidas pelos dois tipos de negócios: 25% dos clientes dos bancos tradicionais se dizem insatisfeitos, contra apenas 19% dos usuários das fintechs.

Esses números evidenciam que, independentemente do valor inicial necessário, ou da quantidade de novas empresas no setor, ainda tem espaço e vale a pena criar um negócio nesse segmento.

Como começar uma fintech?

Sabendo disso, e de quanto custa abrir uma fintech, talvez você queira saber o que é necessário para iniciar uma, certo?

De maneira bem resumida, o passo a passo para criar uma fintech é:

  • tenha uma ideia inovadora, preferencialmente, que atenda alguma lacuna deixada pelo setor;
  • estude sobre as regulamentações pertinentes a esse mercado;
  • defina seu time de desenvolvimento;
  • desenvolva a ideia, fazendo uma boa pesquisa de mercado, definindo o nicho de atuação e quais produtos e serviços serão oferecidos;
  • monte a estrutura, escolhendo a tecnologia que será utilizada e certificando-se sobre o cuidado necessário para a segurança das informações (LGPD);
  • crie um protótipo do seu produto;
  • busque investidores;
  • inicie a divulgação da sua fintech.

Mas lembra que falamos que as plataformas White Label são uma boa solução para iniciar uma fintech e, ao mesmo tempo, reduzir os gastos de abertura? Neste ponto, a Zoop pode lhe ajudar!

Somos uma fintech líder em tecnologia para serviços financeiros que permite que empresas de qualquer setor, incluindo marketplaces, ERPs, empreendedores e outras fintechs, atuem como instituições de pagamento.

Conheça todos os nossos produtos e soluções!

Isso é possível graça a nossa plataforma de serviços financeiros White Label.

Com ela, você usufrui de toda a tecnologia necessária para captura de pagamentos presenciais (maquininha), pagamentos digitais, boletos e diversos outros meios de pagamentos, e tudo com a sua própria marca!

Além disso, por tratar-se uma solução pronta, você fica livre de barreiras regulatórias e ainda reduz os gastos com custos de desenvolvimento e tempo de implementação.

Sem perder o foco no seu core business, sua empresa passa a ter uma nova fonte de receita, a partir da construção e oferta de soluções de pagamentos pontuais para as dores dos seus clientes.

Empresa como iFood, Sympla, Avec e outros grandes nomes já estão gerando ainda mais valor com serviços financeiros.

Faça parte desse grupo. Converse agora com um especialista e veja como criar sua própria empresa de pagamentos!