Nossos parceiros atuam nos mais diversos segmentos, possuindo diferentes modelos de negócio, e, muitas vezes, o seu cliente utiliza indiretamente nossos produtos. Muitas vezes o usuário final pode estar distante de nós.

Nosso desafio é gigante…

Antes de tudo, uma breve apresentação de quem somos: a Zoop é uma fintech enabler, e isso significa que nós possibilitamos que outros negócios se tornem fintechs, criando soluções de pagamento e serviços financeiros para os seus clientes utilizando a plataforma tecnológica Zoop. Nesse modelo, distribuímos para os nossos parceiros (nosso cliente direto), que, por sua vez, empacota em uma solução própria para oferecer ao seu cliente final, que pode ser um comprador, vendedor, parceiro comissionado ou estabelecimento comercial. Desta maneira, o parceiro está livre para criar e inovar em seu negócio sem se preocupar com os aspectos regulatórios, de desenvolvimento de tecnologia e integração com os agentes do sistema financeiro e da cadeia de pagamentos. A plataforma Zoop elimina várias barreiras para seus parceiros iniciarem na indústria financeira e de pagamentos. Isso significa que os nossos parceiros podem contar com a economia do maior ativo do mundo, o tempo. Isso porque nós eliminamos toda a barreira de entrada em um mercado altamente complexo e competitivo. Escrevemos um artigo falando mais sobre como nascem as fintechs na Zoop.

Nossos clientes são parceiros de negócio

Um dos diferenciais da Zoop – e consequentemente um dos maiores desafios dos times que cuidam da nossa marca (branding) e da experiência do usuário (user experience ou UX) – é ser uma plataforma whitelabel onde, nossos parceiros podem utilizar os módulos da plataforma para criar produtos incríveis utilizando as suas próprias marcas. E não paramos por aí: além da customização visual dos produtos, precisamos oferecer uma série de ferramentas – como visualização de dados e disponibilização de funcionalidades  – para que diversos modelos de negócio e diferentes soluções possam atender aos nossos parceiros e também aos seus clientes.

Ao mesmo tempo que exercemos o branding da Zoop para vender soluções e agregar valor ao nosso cliente, precisamos ser discretos e dar visibilidade completa da sua identidade. Sendo assim, o parceiro tem a possibilidade de usar toda a plataforma para desenvolver estratégias de negócio específicas que agreguem valor às suas necessidades e a de seus clientes.

Para nós, é muito importante valorizarmos a marca do nosso cliente. Só assim, conseguimos desenvolver grandes negócios, mantendo a sua identidade e utilizando a complexidade e diversidade dos negócios para desenvolver tecnologias cada vez mais robustas e inovadoras.

O que significa ser whitelabel ?

Whitelabel é um modelo de negócio que utiliza uma plataforma que possibilita a outras empresas comercializarem sua tecnologia e serviços com sua própria marca. Ou seja, é oferecido todo o software pronto, sem a necessidade de se investir recursos com o seu desenvolvimento, para assim explorarem comercialmente todo o sistema para oferecer serviços customizados.

Isso torna todo o processo mais fácil e rápido, o que resulta numa economia de recursos e tempo. O processo de inserção de uma empresa numa indústria gera um custo e trabalho suficiente para tirar uma empresa do seu foco (core business).

Algumas vantagens do modelo são:

  • Agilidade. Soluções white label geralmente possuem integração completa com o negócio e já vem pronta para uso. Isso permite que as empresas economizem dinheiro que seriam investidos em recursos humanos e tecnologia e também poupe tempo – que pode ser investido em arquitetura, design e testes da solução.
  • Cliente em primeiro lugar. Aumenta a satisfação e retenção de clientes. Com o melhor aproveitamento do tempo, os meses restantes podem ser utilizados para desenvolver a personalização da sua solução, de forma que ele tenha sua própria identidade visual. Isso ajuda a empresa na sua interatividade com o cliente.

Como fazemos UX acontecer diante desse cenário

O time de UX (ou “user experience” em inglês) tem um enorme desafio, que consiste em medir e acompanhar o uso dos produtos pelo cliente final, que é quem está de fato com o produto nas mãos. E, em muitos casos, esse usuário é o cliente do nosso parceiro. O feedback direto que recebemos vem sempre dos nossos parceiros, mas pesquisas e testes de usabilidade devem ser feitos com o usuário do produto, que muitas vezes se encontram não tão próximos de nós. No processo de projetar um produto novo ou de desenvolver novas funcionalidades e melhorias para outros já existentes, o time pensa sempre em abrir bastante o leque de possibilidades para que os parceiros consigam customizar tudo da maneira que desejarem.

Como fazemos nosso branding acontecer diante desse cenário

Quando se trabalha branding, deve se considerar que marca, negócio e comunicação estejam alinhados numa estratégia unificada com o objetivo de gerar resultados. Isso engloba todas as áreas da empresa e principalmente a comunicação interna e externa. São os ativos da marca e como eles se comunicam.

Existem dois cenários que devem ser considerados numa empresa whitelabel. Um deles é o padrão, onde posicionamento e identidade devem ser respeitados na comunicação visual ou verbal. Ou seja, tudo que engloba o manual de marca da empresa, que são: tom de voz, fotografia, grafismo, iconografia, cores, tipografia, composições e ilustrações. E o outro, exclusivo de um modelo de negócio whitelabel, que é o conflito entre não poder usar a marca e precisar divulgar o próprio trabalho de alguma forma. A melhor solução é criar uma identidade e visibilidade que transcendem a marca. Isso é possível desenvolvendo uma relação próxima com o cliente, buscando desenvolver tecnologias inovadoras e construindo cases de sucesso.  

Assim, conseguimos atrair o cliente através de nossas mídias, landing pages, site ou blog com toda a experiência agregada da marca. Em seguida, conduzimos até um contato comercial ou até nossa documentação, onde em poucos passos ele pode criar sua própria solução de pagamentos ou entender os benefícios de utilizar as nossas APIs.

Um produto com a sua cara

A nossa principal diretriz de design no contexto whitelabel é criar interfaces e sistemas adaptáveis às diferentes identidades visuais dos nossos clientes. Um produto que consiga ser único e igual ao mesmo tempo. Para isso precisamos considerar o estudo da tipografia, iconografia e estilo visual de forma que ele tenha consistência na medida certa para identificar a Zoop, mas que seja invisível o suficiente para não interferir na identidade visual do parceiro, seja ela qual for. O time de UX também precisa ter o cuidado com a aplicação dessas marcas nos produtos, garantindo que, além da consistência, a experiência não seja prejudicada quando receber essas personalizações.

Além do visual, precisamos projetar para atender às soluções que os parceiros constroem. Com base no que a Zoop pode oferecer, cada um deles tem as suas particularidades e necessidades ao fazer a gestão do seu negócio, como por exemplo, os dados que um determinado parceiro utiliza para identificar as vendas dos seus estabelecimentos comerciais muitas vezes são bem diferentes de outro. Precisamos garantir que todos encontrem aquilo que estão buscando. Ou permitir que nossos parceiros customizem e configurem de maneira autônoma as funcionalidades que quiserem liberar para seus clientes. Nesses, e em muitos outros casos, o nosso time trabalha para oferecer uma experiência simples para todos os perfis de usuários e que entregue valor na hora de configurar o negócio do parceiro.

Desafio aceito!

A Zoop tem parceiros com operações diversas em diferentes escalas e nichos de mercado e nossos times de marca e experiência do usuário estão em busca constante de soluções para atender a todos. O objetivo é oferecer cada vez mais a flexibilidade para a personalização e configuração dos produtos para os nossos parceiros, sem burocracia e mais autonomia. Queremos melhorar cada vez mais os nossos produtos e a experiência dos nossos parceiros, distribuindo inovação com facilidade. Um desafio e tanto que estamos felizes em construir.

Gabriela Siqueira é designer, analista de UX e entusiasta de pesquisa com usuários e desenvolvimento de interfaces

Daniel Vital é designer, analista de branding e entusiasta de tecnologia e programação

UX Designer na Zoop