Mercado

Embedded fintech e embedded finance: diferenças, vantagens, desvantagens e qual a ideal para cada negócio

Publicado em 26 de maio de 2021 por Redação Zoop

Está sem tempo de ler agora? Que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo!

Quando falamos em embedded fintech, estamos nos referindo a empresas fintechs que contribuem para que instituições financeiras possam integrar serviços voltados para a gestão de dinheiro e/ou pagamento às ofertas com as quais já trabalha.

Já quando o termo é embedded finance, trata-se de fintechs que permitem a empresas que não fazem parte do mercado de serviços bancários acrescentarem soluções desse tipo ao seu portfólio.

Em resumo, o conceito embedded fintech é para quem já faz parte do setor financeiro, enquanto o embedded finance é voltado para empresas que não têm o seu produto principal nesse segmento, mas desejam adentrar.

O ponto em comum é que ambas as opções ajudam a aprimorar e a inovar a oferta de produtos e serviços financeiros, melhorando a vida dos clientes e suas rotinas em diversos aspectos, bem como contribuindo para o crescimento das empresas.

O embedded finance, por exemplo, permite que uma rede varejista ofereça aos seus clientes uma conta digital própria, com todas as funcionalidades de uma conta disponibilizada por um banco.

O embedded fintech, por sua vez, contribui para que um banco tradicional se torne mais digital, entregando aos clientes novas soluções, como aplicativos, entre outros.

Confira, neste artigo, as principais diferenças entre esses dois conceitos, suas vantagens, desvantagens e qual o mais indicado de acordo com cada modelo de negócio.

Vantagens e desvantagens do embedded fintech

Como explicado anteriormente, o conceito embedded fintech (fintech embutida) se refere à integração desse tipo de empresa, e de suas soluções, a instituições financeiras já atuantes.

Neste ponto você deve estar se perguntando: Mas por que um banco precisa de uma fintech, ou seja, de uma startup de serviços financeiros para operar?

A resposta engloba algumas questões, e uma das principais é que esse tipo de empresa contribui para a modernização dos serviços bancários de instituições tradicionais.

Por meio do embedded fintech é possível, por exemplo, oferecer aos clientes novos produtos digitais em menos tempo.

Vamos supor que um banco tradicional queira disponibilizar ao seu público uma versão mobile banking, seja ela nova ou mais moderna.

Ao fazer isso utilizando os serviços de uma fintech, há uma economia de tempo e de custos com desenvolvimento.

O banco se beneficia de toda a tecnologia e expertise da empresa startup de serviços financeiros para criar, desenvolver e/ou aprimorar a sua solução. Isso acaba sendo uma das maiores vantagens do conceito embedded fintech.

Desvantagens do conceito embedded fintech

Desvantagens desse modelo de estratégia são difíceis de apontar, especialmente se considerarmos que o embedded fintech ajuda a resolver um importante problema dos bancos tradicionais: o lançamento de novos produtos e soluções com características mais digitais.

Por mais que saibam que é preciso se adaptar ao novo comportamento dos consumidores e suas atuais necessidades, as instituições tradicionais esbarram em questões como criação, teste e aprimoramento dos produtos. 

Porém, o embedded fintech pode ser a solução para esses pontos, colaborando para entrega de soluções inovadoras, digitais, e de forma mais rápida do que se fossem desenvolvidas internamente.

Dica! Não deixe de ouvir este episódio do Papo na Nuvem 

Vantagens e desvantagens do embedded finance

O conceito embedded finance, ou finanças embutidas, por sua vez, permite que qualquer empresa possa oferecer produtos financeiros aos seus clientes.

Um bom exemplo é iFood. A empresa, que é voltada para o setor de delivery de alimentos e refeições, criou as suas próprias soluções de pagamento com a ajuda da Zoop, fintech líder em tecnologia para serviços financeiros.

Hoje, além de ter maquininhas de cartões com a própria marca, receber pagamentos via QR, e ter aprimorado o seu split de pagamento, o iFood também oferece aos seus parceiros de negócio banco digital próprio, com conta digital com diferentes funcionalidades e cartão pré-pago.

Baixe o e-book com o case completo do iFood e descubra como a empresa aumentou a sua receita em quase 10% com as soluções da Zoop! 

Considerando esse exemplo, já dá para ter uma ideia de quais são as vantagens do embedded finance, não é?

A principal delas é que as empresas que querem oferecer serviços financeiros aos seus clientes não precisam se desviar do seu core business

Todo o processo de criação e desenvolvimento das soluções é realizado pela fintech, deixando a empresa livre para se dedicar ao seu negócio principal.

Além disso, as soluções são white label, isso quer dizer que todos os produtos levam a sua marca. A sua empresa somente usufrui da tecnologia da startup de serviços financeiros, sem que ela apareça em nenhum momento.

Desvantagens do conceito embedded finance

Assim como o conceito embedded fintech, também é um tanto complicado encontrar desvantagens no embedded finance.

Um que podemos destacar diz respeito à implementação da solução. Na hora de escolher uma plataforma para banco digital white label, por exemplo, é fundamental que se atente e considere como a integração dos serviços é feita. 

Somado a isso, verifique também questões relacionadas à segurança, confiabilidade e suporte.

O artigo “Como escolher a melhor plataforma de pagamentos white label do mercado? 4 premissas” traz todos os detalhes.

Qual o melhor entre embedded fintech e embedded finance

Para quem já atua no mercado de serviços financeiros, o embedded fintech é a solução mais indicada. Mas se a sua empresa ainda não oferece produtos e serviços financeiros para os seus clientes, o embedded finance vai lhe ajudar.

Adentrar esse setor traz para o seu negócio inúmeras vantagens, tais como:

  • entrega de produtos mais aderentes, que resultam no aumento das suas taxas de fidelização;
  • conquista de um novo diferencial competitivo;
  • atração de novos clientes;
  • melhora na experiência dos seus clientes;
  • geração de uma nova fonte de receita.

 

Agora que as principais diferenças entre embedded fintech e embedded finance ficaram claras, que tal conhecer um pouco mais a fundo o conceito de finanças embutidas?

O artigo “Embedded finance: o conceito que vai ajudar a sua empresa a crescer!” explica detalhes e traz uma entrevista com André Calabro, diretor executivo da Via Varejo, empresa responsável pelas Casas Bahia.

Não deixe de ler e entenda mais!

Diga como podemos lhe ajudar!
Avalie o artigo