Negócios

Carteiras digitais brasileiras: aceitação do público e maneiras de aumentar a segurança dessa solução

Publicado em 23 de junho de 2021 por Redação Zoop

O uso das carteiras digitais brasileiras têm apresentado significativo crescimento nos últimos anos, especialmente após o início da pandemia, condição que levou à utilização crescente de soluções de pagamentos digitais. 

De acordo com um estudo da Bain & Company, divulgado pela Sociedade Brasileira de varejo e Consumo, SBVC, a estimativa é que, em todo o mundo, as e-wallets, como também podem ser chamadas, representarão 28% do mercado de pagamento no ano de 2022.

Por aqui, dados da SBVC constataram que 61% dos brasileiros pertencentes às classes A, B e C, portadores de smartphones, são usuários frequentes das carteiras digitais brasileiras.

Entre os motivos que estão levando ao aumento do uso dessa solução como meio de pagamento estão a praticidade, apontada por 47% dos consumidores do Brasil, e a agilidade, fator destacado por 53% dos entrevistados pela SBVC.

Mas ao mesmo tempo em que o uso desse meio de pagamento aumenta, é necessário que as empresas, em especial marketplaces e e-commerces, aumentem as suas camadas de segurança.

Desse modo, quais seriam as práticas mais indicadas para promover mais segurança para o comércio eletrônico e para os seus clientes, especialmente no que se refere ao uso das carteiras digitais brasileiras?

Confira, neste artigo, dicas de como aumentar a segurança digital dos consumidores e varejistas, e os motivos que reforçam a importância da oferta desse método de pagamento.

Como está a aceitação das carteiras digitais brasileiras?

A utilização cada dia maior das carteiras digitais brasileiras é também um reflexo do que vem acontecendo em todo o mundo, especialmente no comércio eletrônico.

De acordo com o relatório “The Global Payments Report”, da empresa Worldpay from FIS, atuante no setor de tecnologia de pagamentos, em 2020 o volume de vendas com as e-wallets foi de 44,5%, o que representou um aumento de 6,5% no uso dessa solução em checkouts online.

A previsão é que, até 2024, as carteiras digitais representem mais de 51% de todos os pagamentos efetuados no comércio eletrônico.

No que se refere às vendas presenciais, parte importante para quem trabalha com varejo omnichannel, o estudo apontou que as transações realizadas com esse meio de pagamento passaram de 19,5% em 2019, para 25,7% em 2020, substituindo, especialmente, o uso do dinheiro físico. 

Dica de leitura: “Os impactos da digitalização do dinheiro”.

Por aqui, espera-se que as carteiras digitais brasileiras sejam responsáveis por 47% dos pagamentos realizados nos e-commerces e marketplaces, em 2022, de acordo com a publicação da SBVC citada anteriormente.

As carteiras digitais brasileiras são seguras? Como diminuir o risco de fraudes nesse sistema?

No que se refere à segurança digital dos meios de pagamentos, de modo geral, a matemática é relativamente simples: quanto maior o volume de vendas, mais tentativas de fraudes vão acontecer.

Dados divulgados no portal IstoÉ Dinheiro mostraram que o e-commerce nacional sofreu, somente no 1º trimestre de 2021, mais de 700 mil tentativas de ações fraudulentas. Esse percentual representa quase 84% a mais do que o apontado no mesmo período do ano passado.

De modo geral, as carteiras digitais brasileiras são bastante seguras. Ainda assim, marketplaces e e-commerces precisam utilizar soluções que adotem diferentes medidas de segurança digital a fim de proteger os seus clientes e evitar problemas para a sua marca.

Assim, para diminuir o risco de fraudes, é bastante indicado oferecer e-wallets que contem com recursos como o Onboarding Digital e a validação de identidade.

Onboarding digital

Onboarding Digital é o termo utilizado para especificar a adesão de um cliente a um produto ou serviço financeiro, a exemplo do uso de uma carteira digital. Esse processo inclui, principalmente, a captura e análise dos dados fornecidos pelo usuário. 

Considerando que as informações são fornecidas via internet, o objetivo é garantir que os dados passados pertençam realmente à pessoa que os está fornecendo.

Um Onboarding Digital deve estar de acordo com a LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, e tem grande importância nas etapas de análise de risco e nas estratégias de prevenção a fraudes.

Não deixe de ouvir este episódio do Papo na Nuvem, podcast sobre tecnologia em serviços financeiros da Zoop, com apoio da Visa.

 

Validação de identidade

A validação de identidade é um processo que tem por objetivo aumentar a precisão na identificação de um usuário de meios de pagamentos digitais.

Existem diferentes maneiras de realizar uma validação de identidade, tais como:

  • validação por biometria digital: para liberar acesso à solução financeira e/ou efetivar o processo de pagamento, é solicitada a impressão digital do cliente;
  • validação por biometria facial: similar à solução anterior, a liberação da transação acontece pela leitura digital do rosto do cliente;
  • validação biográfica e cadastral: somente autoriza a transação após o cliente confirmar e/ou inserir dados com data de nascimento, endereço, filiação, entre outros relacionados ao seu cadastro inicial.

Por que se preocupar com a segurança digital das e-wallets? 

A resposta para essa pergunta é bastante simples: porque o uso das carteiras digitais brasileiras tende a aumentar mais, conforme as previsões dos relatórios e das pesquisas que citamos logo no início deste artigo.

Além disso, cada vez mais novas soluções com as mesmas características das e-wallets estão surgindo no mercado de meios de pagamento

Por isso, adequar os marketplaces e e-commerces para oferecê-las aos clientes, com toda segurança digital necessária, é uma maneira de atender novas camadas de consumidores, novos comportamentos de compra e aumentar o volume de vendas.

Um bom exemplo é o WhatsApp Pay, solução de pagamento digital que teve autorização para funcionamento concedida pelo Banco Central em março de 2021, e que pode se tornar uma nova opção para varejistas que utilizam uma conta comercial no WhatsApp.

Tendo como base de funcionamento o Facebook Pay, carteira digital da marca, o usuário precisa cadastrar o seu cartão de débito de um dos bancos credenciados, ou um cartão que tenha a função débito e crédito juntas, para realizar pagamentos e transferências.

No que se refere à segurança digital do WhatsApp Pay, a ferramenta conta com tecnologia de monitoramento antifraude, adição de PIN (número de identificação pontual) ou biometria.

Por que vale a pena oferecer carteiras digitais como método de pagamento online?

A oferta das carteiras digitais como método de pagamento no comércio eletrônico e presencial é válida por inúmeros motivos.

Entre os que mais se destacam estão:

  • otimizam o processo de pagamento, tornando-o mais rápidos, especialmente quando comparado ao uso de outras soluções;
  • expande o leque de meios de pagamentos oferecidos, contribuindo para aumentar o volume de vendas;
  • vai ao encontro do novo comportamento do consumidor, que procura por soluções mais ágeis para o seu dia a dia;
  • permite o atendimento às pessoas desbancarizadas, visto que muitas das carteiras digitais brasileiras não exigem que o cliente tenha conta em banco;
  • contribui para o crescimento do m-commerce;
  • ajuda a aumentar a adesão aos pagamentos por aproximação para quem trabalha com varejo omnichannel.

 

Achou interessante a oferta das e-wallets? Então não deixe de ler este artigo para se aprofundar no tema e conhecer outra solução relacionada: “Carteira digital White Label X conta digital White Label: qual a melhor para o seu negócio?

Diga como podemos lhe ajudar!
Avalie o artigo