Negócios

O que é blockchain? Para que serve? Entenda tudo sobre essa tecnologia!

Publicado em 04 de julho de 2022 por Redação Zoop
Avalie este post

Se em algum momento você leu ou se interessou por criptomoedas, já deve ter ouvido este termo, mas será que sabe ao certo o que é blockchain e como essa tecnologia pode ser utilizada?

De uma forma bem resumida, blockchain é uma rede formada por blocos conectados uns aos outros. Cada um desses blocos carrega o seu próprio conjunto de dados, mas também os dados do seu antecessor.

Essa é justamente uma das características que confere a tão comentada segurança de uma rede blockchain. Para que alguém consiga acessar essas informações é preciso decifrar o código numérico dos blocos — lembrando que esses registros estão criptografados.

Entretanto, desvendar apenas um bloco não é suficiente para entrar em seus registros. É preciso fazer o mesmo processo com todos os outros que estão ligados a ele.

Outra particularidade bem importante dessa rede é que as informações inseridas em cada bloco recebem a data e a hora que foram criadas, levando seus blocos a serem criados em ordem cronológica, condição que é impossível de ser alterada. Também por isso ela é considerada inviolável e imutável.

Mas há muitos outros detalhes dessa tecnologia que a torna única e, por conta disso, cada dia mais utilizada pelos mais variados setores econômicos.

Para saber mais sobre esse tema, basta continuar a leitura deste artigo para conferir o que é blockchain, como surgiu, como funciona e qual pode ser a sua aplicação no mercado de serviços financeiros.

Como surgiu a tecnologia blockchain?

Para falarmos o que é blockchain, é bem importante partirmos da sua origem. Por isso, começaremos desse ponto.

Ainda que muito vinculada às criptomoedas, especialmente ao Bitcoin, a tecnologia blockchain surgiu muito antes da criação dessa moeda digital.

O projeto inicial dessa rede data de 1991, quando Stuart Haber e W. Scott Stornetta, ambos cientistas da computação, tiveram a ideia de desenvolver uma solução tecnológica pela qual fosse possível registrar datas em documentos digitais. O objetivo era que essa informação não pudesse ser alterada de nenhuma forma. 

Somado a isso, eles buscavam meios para que os dados armazenados nessa nova rede seguissem uma ordem cronológica e fossem invioláveis. Para essa última questão, eles lançaram mão da criptografia.

Porém, na época, a rede blockchain criada por Haber e Stornetta não foi utilizada como eles idealizaram. 

Assim, em 2004 a patente que tinham sobre a ideia expirou, e a ideia foi aproveitada por Hal Finney, ativista criptográfico e cientista da computação, que usou a tecnologia em um sistema denominado Reusable Proof of Work (RPoW), Prova de Trabalho Reutilizável, em português.

O fato é que a rede blockchain somente ganhou notoriedade quando citada no white paper do Bitcoin, documento divulgado por Satoshi Nakamoto que deu origem ao Bitcoin.

Afinal, o que é blockchain e como funciona?

Seguindo a linha de explicação que demos no início deste artigo sobre o que é blockchain, trata-se de uma tecnologia na qual dados são criptografados e armazenados em blocos.

Esses blocos, por sua vez, se conectam uns aos outros carregando as suas próprias informações, bem como as informações dos seus antecessores, formando assim uma cadeia.

Uma das camadas de segurança dessa rede está atribuída à necessidade de os blocos precisarem ser validados individualmente, processo que é feito pelos chamados mineradores.

Os mineradores emprestam sua força computacional para fazerem essa validação, que acontece em poucos minutos, e somente após esse processo o bloco é inserido na rede.

O que torna essa tecnologia tão segura e praticamente à prova de hackers é que para acessar qualquer informação que esteja armazenada nela é preciso “quebrar” sua criptografia. E como já mencionamos, é necessário fazer isso em todos os blocos que formam a cadeia.

Outra característica bem importante que reforça a questão da segurança é que a blockchain é uma rede descentralizada. Ou seja, as informações armazenadas nela não estão em um banco de dados único que pode ser invadido.

Na prática, ela é formada por um sistema descentralizado de computadores, que são denominados “nós”, pertencentes à sua própria comunidade e espalhados ao redor do mundo.

Dica de leitura: “Finanças descentralizadas (DeFi): entenda o conceito e o impacto no mercado de serviços financeiros

Quais são as vantagens da tecnologia blockchain?

Mas para saber o que é blockchain de maneira realmente completa é essencial conhecer quais são as suas vantagens, concorda? Entre as que mais se destacam estão:

  • transparência;
  • imutabilidade;
  • segurança;
  • independência.

Transparência

Os dados armazenados em uma rede blockchain podem ser visualizados e auditados por qualquer pessoa, especialmente nas chamadas redes públicas. Por conta disso, as operações realizadas com essa tecnologia têm como uma das suas principais características a credibilidade.

Imutabilidade

Apesar de permitirem a verificação, uma vez que uma informação é validada e inserida na rede ela não pode ser modificada, de nenhuma forma, nem mesmo por quem a criou. Somado a isso, é impossível excluir qualquer operação ou dado que tenha sido registrado.

Segurança

As informações e os dados que são inseridos nos blocos são criptografados e requerem uma assinatura digital para serem acessados. E por ser uma rede descentralizada, essa tecnologia é muito mais protegida de falhas técnicas e de ataques de hackers que outras que não são estruturadas dessa maneira.

Independência

Outra particularidade dessa rede que também pode ser vista com uma das suas vantagens é o fato de ela não depender de nenhum órgão regulador, empresa ou entidade fiscalizadora.

Na prática, isso também quer dizer que intermediários são dispensáveis nas transações, possibilitando que tudo seja realizado apenas por quem realmente está efetivamente no processo.

Em quais setores essa tecnologia pode ser utilizada?

Atualmente, a tecnologia é utilizada nos mais diferentes setores, indo muito além da sua aplicação para criação e movimentação de criptomoedas. Alguns bons exemplos de segmentos que usam essa solução são:

  • logística;
  • educação;
  • moda;
  • construção civil;
  • governo;
  • direito.

 

No setor de serviços financeiros, a rede blockchain funciona como uma espécie de livro-razão, permitindo o registro das operações de forma muito mais precisa, segura e transparente. 

Uma das suas aplicações, por exemplo, pode ser o uso para rastreamento de fluxo de dados internamente, criando uma trilha de dados totalmente auditável. 

Além disso, essa tecnologia também pode ajudar a:

  • diminuir o tempo e o custo de transações financeiras internacionais;
  • otimizar processos ao dispensar a necessidade de intermediários;
  • facilitar a introdução das criptomoedas nos produtos e serviços financeiros.

 

Achou este conteúdo interessante? Então confira outros que estão disponíveis aqui no blog da Zoop, a exemplo do “Transformação digital nos bancos: por que a evolução dos serviços financeiros é tão importante?

Avalie este post
Diga como podemos lhe ajudar!
Avalie o artigo