Banking

Inteligência artificial nos bancos: como essa solução ajuda a reduzir custos e aumentar a receita

Publicado em 05 de fevereiro de 2021 por Redação Zoop

Quando se fala no uso da inteligência artificial nos bancos a primeira solução que vem à mente são os chatbots.

Obviamente, esse recurso facilitou e agilizou bastante o atendimento bancário, atribuindo mais qualidade aos serviços prestados. No entanto, a aplicação da IA nos serviços financeiros vai muito além disso.

De acordo com a pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2020, os bancos aumentaram os seus investimentos em tecnologia em 48%, incluindo software e hardware. 

No caso do uso da IA, especificamente, a solução tem como foco, além de aprimorar o atendimento, gerar mais conveniência para os clientes.

E quando falamos em conveniência, é possível citar a criação de produtos e serviços financeiros direcionados, os quais foram desenvolvidos com base na análise do comportamento do consumidor (feita com a ajuda da IA).

Somando a isso, a inteligência artificial nos bancos também contribui para reduzir gastos, mitigar riscos e aumentar a receita das instituições financeiras.

Entenda melhor agora!

O uso (maior) da inteligência artificial nos bancos

Em uma visão geral, é possível dizer que o uso da inteligência artificial nos bancos tem como objetivo principal melhorar e estreitar o relacionamento entre clientes e instituições financeiras.

O número quase imensurável de dados gerados diariamente por esse setor dá aos seus participantes excelentes oportunidades de alcançar esse objetivo. 

Porém, sem o uso da tecnologia para refinar essas informações, esse processo se torna praticamente impossível.

A utilização da inteligência artificial nos bancos permite, entre outros pontos, estudar o comportamento do consumidor

Assim, tendo como base informações reais, fica muito mais fácil criar produtos financeiros que realmente atendam às suas necessidades.

Mas, além disso, a IA também tem se tornado um importante recurso na hora de reduzir os custos das instituições financeiras

Sua aplicação ajuda a otimizar processos, melhorando a atuação dos setores internos que não têm contato direto com o cliente, mas influenciam no seu relacionamento com a instituição.

Em resumo, o uso da inteligência artificial nos bancos se tornou um importante diferencial competitivo. 

Um dos motivos é que, quanto mais se conhece o cliente e as suas necessidades, mais pontual fica a oferta de soluções para resolver os seus problemas.

Isso eleva o poder de atração da instituição financeira e, por consequência, aumenta a sua receita. 

A IA ainda tem muito a ser explorada pelos bancos e demais empresas que atuam no setor financeiro. No entanto, é possível ver o uso cada dia maior nas seguintes áreas:

  • Aprimoramento do serviço de atendimento ao cliente
  • Redução dos custos de backoffice
  • Aumento do nível de segurança
  • Oferta de produtos e serviços mais personalizados

 

Aprimoramento do serviço de atendimento ao cliente

Segundo a FEBRABAN, entre os anos de 2017 e 2018, houve um aumento de 2.585% no número de atendimentos via chatbot — foram 3 milhões de atendimento no primeiro ano, contra 80,6 milhões no segundo.

O uso de uma solução que usa linguagem natural e se aperfeiçoa à medida que é utilizada contribui para melhorar a experiência de atendimento do usuário e a otimizar esse processo.

Redução dos custos de backoffice

Indo além do contato direto com o cliente, a inteligência artificial nos bancos tem sido cada vez mais utilizada para otimizar a atuação de setores internos, tais como jurídico, onboarding (abertura de contas), entre outros.

A IA contribui para a leitura e aprovação muito mais rápida de documentos, processos e afins. 

As contas digitais, por exemplo, não requerem a presença física do cliente para abertura. No entanto, é preciso validar os documentos enviados digitalmente. 

Considerando o alto volume de abertura desse tipo de conta — 7,4 milhões de novas contas digitais foram abertas em 2019 — quanto mais ágil for esse processo, melhor para o cliente e para a imagem da instituição financeira.

Aumento do nível de segurança

Tudo parte da análise do comportamento do cliente, e a aplicação da inteligência artificial nos bancos é uma das melhores maneiras de fazer isso.

A IA é uma peça importante para identificar ações incomuns ao perfil do cliente, especialmente quando combinada com big data e analytics. 

Com essa junção é possível detectar transações digitais incompatíveis com o considerado normal e dessa forma, aumentar o nível de segurança das soluções oferecidas.

Aproveite e ouça o episódio do podcast Papo na Nuvem sobre prevenção a fraudes nos pagamentos

 

Oferta de produtos e serviços mais personalizados

Com esse estudo mais aprofundado do comportamento do cliente também é possível, por exemplo, verificar quais são os produtos financeiros mais utilizados, fazer uma análise de risco mais rápida para liberar crédito ao cliente e muito mais.

Isso ajuda a entregar soluções realmente diferenciadas e que vão ao encontro das atuais necessidades desse consumidor.

Aqui, vale lembrar que a chegada do Open Banking vai deixar toda essa oferta muito mais acirrada.

Com o compartilhamento dos dados bancários, sairá na frente as instituições financeiras que melhor conseguir analisá-los e transformar isso em informação.

Em posse disso, será muito mais fácil oferecer soluções realmente sob medida, com foco em solucionar o problema atual apresentado pelo cliente, e de maneira ágil.

O que esperar do futuro dos serviços bancários

É claro que o uso da inteligência artificial nos bancos vai evoluir para muito além desses exemplos que acabamos de citar. 

Por exemplo, em um futuro não muito distante, os produtos wearables (dispositivos vestíveis) se tornarão algo totalmente comum, deixando soluções como cartões e boletos obsoletos.

A tendência com o uso da tecnologia nos serviços financeiros é o cliente usar o banco sem perceber que está usando.

O lançamento do Pix é outra amostra interessante desse conceito. A transferência de valores e a realização de pagamentos sem precisar de um cartão, nem mesmo informar a conta bancária, já é uma realidade e tem conquistado cada dia mais público.

Para se ter uma ideia, entre os dias 16 e 22 de novembro, o Pix foi responsável pela movimentação de mais R$ 9,3 bilhões

Não deixe de ler “Tudo sobre o Pix: confira as 13 respostas que a sua empresa precisa saber e a opinião de grandes especialistas!

É preciso citar também a solução Banking as a Service, que vem contribuindo para democratizar o acesso aos serviços financeiros e a colocar um fim no monopólio bancário.

Isso porque essa solução permite que qualquer empresa, de qualquer segmento, passe a entregar aos seus clientes produtos e serviços financeiros personalizados de acordo com o perfil do seu público.

Por ser uma plataforma white label, todas as soluções recebem a marca da empresa que as oferece. 

Ou seja, você somente usa a tecnologia do desenvolvedor, ficando totalmente livre de barreiras regulatórias ou custos com desenvolvimento, e ainda gera uma nova fonte de receita para o seu negócio.

Quer entender melhor por que esse conceito também faz parte do futuro dos serviços bancários? 

Então não deixe de ler o artigo “Como está a oferta e a adesão do Banking as a Service no Brasil e no mundo?

Diga como podemos lhe ajudar!
Avalie o artigo